segunda-feira, 29 de abril de 2013

Enfim, é isso...


Enfim é isso, a vida, nem sempre como a gente quer, mas do jeito que deve ser. Mentiras que se tornam verdades, verdades que se tornam mentiras. Dias sem sentido outros com mudanças capazes de bagunçar tudo. Perguntas sem respostas, respostas que machucam muito. Amores improváveis que em um piscar de olhos se tornam prováveis e inesquecíveis. Melodias e mais melodias de sobre como viver de uma forma alegre e fácil, melodias que mudam vidas, pensamentos e dias vazios.
A vida muda toda hora, nem vale a pena sentar e chorar por algo perdido ou uma oportunidade que escapou, o mais legal é esperar pela próxima e ai sim se agarrar a ela e não deixar que se vá de maneira nenhuma. Chore se necessário, mas não deixe que esse choro faça parte da sua rotina diária ele ajuda, mas não traz nada de volta nem um amor, nem uma oportunidade e nem alguém que já se foi.
Sorria, mesmo que seja quase impossível às vezes. Nem todos á sua volta tem culpa da sua tristeza ou necessidade de se sentir mal, todas as vezes que descontar em alguém aquilo que sente e a pessoa não merecer, você apenas vai se sentir pior com si. Sorria até sem vontade de sorrir, no fim a gente sempre acaba encontrando um motivo pra sorrir de verdade. 
           

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Aquela tarde...


Aquela tarde, sim aquela tarde. Perfeita e simples. Não importava se estava chovendo, se estava frio ou nublado. Tudo que existia eram os dois juntos em uma perfeita sintonia jamais sentida nenhuma vez por nenhum deles. Não era possível saber o limite do tempo, pois tudo estava parado e quando não estava assim movia-se lentamente. Nada, nada, nada mais importava á eles. Nem problemas, nem duvidas, nem se chovia ou fazia frio.
Cada sentimento, cada palavra, cada olhar era tudo que importava. O que mais queriam é que durasse muito mais tempo, que pudessem apenas ficar lá, nunca sair, ficar juntos era o importante na verdade. Tudo ficou guardado minuciosamente na mente deles cada segundo daquela tarde, ficará guardado pra todo sempre para os dois e mais tardes nubladas viram para eles, com o tempo... 
        

terça-feira, 23 de abril de 2013

Meu sorriso preferido no mundo...


O que aquele sorriso escondido significava? Não era possível saber, esse não é um daqueles sorrisos fáceis de se interpretar é um daqueles que podem significar tantas coisas. Podem significar que está admirando algo ou alguém, pode significar felicidade, surpresa ou até mesmo descontrole.
É simplesmente o sorriso mais lindo que já poderia ter visto algo se acende quando posso avistá-lo, quando o vejo sei que esta tudo bem e que tudo tem sentido, sinto-me completa e feliz por até mesmo ser o motivo de fazer alguém sorrir de uma forma tão linda e verdadeira.
Espero me recordar desse lindo sorriso pra sempre, escrever versos sobre ele, sonhar com ele, acordar com ele, sentir, sorrir. Jamais quis ver um sorriso como quero ver esse, jamais quis não esquecer algo dessa forma. Não quero só o sorriso, quero o dono dele também cada dia mais... 
    

domingo, 21 de abril de 2013

Linhas e linhas de nada...


Então lá estão elas, linhas e linhas para serem preenchidas, escritas, desenvolvidas; entretanto nem uma única inspiração. Nada, nadinha de novo, apenas as mesmas palavras repetitivas a cercam por dias e dias que nunca parecem ter um fim. Tédio mortal até mesmo para escrever uma pequena palavra. Nada a inspira nem o amor, muito menos a vida, talvez vazia, por isso não exista a inspiração. Nada nem caminhos nem amigos, nada apenas aquele reflexo branco de uma folha vazia.
Com tantas possibilidades, reinos distantes para serem explorados, amores impossíveis que passam a ser possíveis, reencontros épicos, duelos, paixões, mortes, aventuras e ainda assim a inspiração não existe. Só flaschs de histórias que nunca são começadas e quando são não existe fim, pois não existe inspiração.
Tão frustrante quanto encher uma xícara de café, misturar leite e descobrir que o café já não está quente como deveria e não terá o mesmo sabor quando for tomado. Então, não resta nada a não ser esvaziar a xícara, assim como as idéias, vazias e sem valor algum. 
     

sexta-feira, 19 de abril de 2013

Algo concreto...

Como criei essa dependência não sei. O que sei é que não tenho mais forças para ficar longe dele nem um segundo se quer. As vezes imagino que ele ficaria melhor sem mim, que minha vida insuportável tornaria a dele assim também, então fecho meus olhos e vejo os dele com aquele azul profundo e depois desse pensamento tudo o que sinto é uma dor quase que insuportável seguida de algumas lágrimas frias. 
 Existe um pedacinho meu que está lá com ele e não poderei mais recupera-lo, pois eu o entreguei á ele quase sem perceber e não me arrependo nem um segundo se quer, afinal eu escolhi fazer isso naquela tarde nublada e chuvosa. Eu escolhi amá-lo, escolhi ser teimosa, fiz tudo ao contrário e faria tudo outra vez, pois pela primeira vez na vida fiz algo que realmente queria e agora ele é tudo pra mim. Quando fecho meus olhos posso ver tudo o que já aconteceu girando na minha cabeça o que me deixa feliz, porque o que eu sinto é de verdade, é real não criei isso para ter momentos de felicidade, é algo concreto. Alguém realmente me ama...
     

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Escrever...


Na real o fato sobre escrever é criar um mundo que não existe. Uma mentira, uma vida paralela, ninguém quer ler nada que se compare ao próprio mundo ou a própria vida. As pessoas leem coisas pra fugir da realidade em que se encontram e quem escreve cria uma realidade que gostaria de viver. Imaginem só viver em Neverland? Na terra média ou sei lá mais onde.
Quem leria uma narrativa sobre uma vida comum e insuportável? Sem nenhum propósito sem nenhuma realidade paralela, sem fantasia? Apenas a Verdade, ninguém leria, ninguém gosta de encarar isso.
Sorte daqueles que podem vagar por mundos alternativos e viver nem que seja por poucos minutos fora da própria realidade aquela onde existe uma vida infeliz e desesperadora e ir para longe, por lugares que ninguém nunca visitou antes cheios daquilo que é mais legal no mundo inteiro. Nessa realidade não existem infelicidades, expectativas, tomadores de sonhos nem falta de perspectiva só existe aquilo que a própria pessoa imagina. Isso acaba sendo tudo... Tudo o que há no mundo, o mais importante, o que faz com que aquele maldito mundo de tédio, aquela prisão não tome conta do que há... Precisa-se de uma mente aberta! 

segunda-feira, 15 de abril de 2013

5 Minutos...

5 minutos parecem pouco tempo, entretanto é tempo suficiente para mudar várias coisas de alguma forma. Uma vida pode acabar e outra começar, alguém pode fugir ou retornar, o telefone pode tocar ou alguém pode desligar. 5 minutos é tempo suficiente para levar uma conversa que pode magoar profundamente alguém, é tempo para uma resposta vazia que vai ficar machucando e machucando por muito tempo trazendo a escuridão para um mundo aparentemente colorido. 
 Esses minutos podem ser responsáveis pela ansiedade de encontrar com uma pessoa depois de um longo tempo, trazem também a insegurança causada apenas por palavras ou pequenas ações que são o suficiente pra acabar com uma parte da confiança existente entre duas pessoas e fazer com que algumas coisas já não sejam mais suficientes para esconder o medo de perder alguém em 5 minutos, iguais aqueles em que tudo mudou, onde algo ficou para traz e alguma coisinha bem pequena e frágil se quebrou, uma coisinha chamada confiança.
   Muitas coisas acontecem em 5 minutos, esse tempo pode passar lentamente ou em um piscar de olhos, sendo assim responsável por um mundo de possibilidades, quantas delas será que cabem em 5 minutos? Sejam elas grandes ou pequenas? 
          

sexta-feira, 12 de abril de 2013

Pra sempre...


Será que o pra sempre dura pra sempre? Será que um “eu te amo” marca a vida de alguém verdadeiramente? Será que é você? Não sei responder tantas perguntas que giram há todos os minutos, algumas não quero responder, outras dolorosamente eu sei a resposta, porém apenas sinto medo um medo incontrolável de te perder e esse ser o pra sempre.
Te perder pra sempre, esse é uma pra sempre que não quero que exista, não pode existir nem como uma reles hipótese. São os seus olhos que eu vejo quando fecho os meus, são os seus beijos e abraços que espero por dias e dias até que possa te ver, é o seu sorriso que vejo primeiro quando me desligo do mundo pra fugir pra qualquer lugar onde ninguém mais está.
Se o pra sempre dura pra sempre eu não sei, quanto tempo ele dura também não posso saber. O que eu sei é que não sei mais viver sem ter você... 
       

quarta-feira, 10 de abril de 2013

A morte leva Natacha...

Está tudo acabado. O coração dela parou de bater, depois de horas tortuosas perdendo sangue lentamente dentro de uma banheira cheia. Tudo está parado, nada mais importa, no ambiente aquele cheiro de ferrugem  produzido pelo sangue invade todo o banheiro.
 O que á levou a isso? Desespero, dias e dias de uma vida infeliz e sem nenhuma esperança. Vontade desesperada de desaparecer, nenhum motivo para sorrir e um grande buraco vazio no lugar de um coração pulsante. Ela procurou a morte no fim, era tudo o que podia fazer, precisou de coragem para deixar esse mundo e andar até a banheira com aquele pequeno canivete o que não foi difícil, pois enquanto planejava sua morte não teve em mente nenhuma lembrança boa sobre si, ou sobre outras pessoas a sua volta. 
  Quando entrou no banheiro, não precisou pensar apenas ligou o celular na sua musica preferida tudo parecia uma eternidade, o tempo que a banheira levou pra encher não passava. Estava determinada, nada a faria mudar de ideia. Depois da banheira cheia, ela entrou, se encostou, esticou os braços delicadamente e cortou os puços de forma rápida e eficaz para não ter volta. 
    Ficou lá, observando seu sangue se misturar com a água esperando pela morte certa até sentir aquela sensação de dormência pelo corpo, rapidamente fechou seus olhos e sua ultima lágrima caiu. Seu coração parou de bater, não se ouvia mais nada a morte havia chego e lá estava ela, levando Natacha.