segunda-feira, 24 de setembro de 2012

O ultimo texto...

   Não se podem contar quantas vezes meu coração bateu acelerado só de ouvir seu nome, quantas vezes fechei meus olhos para poder te encontrar em qualquer lugar que eu quisesse, todas as vezes que senti seu cheiro quando o vento batia, ou as vezes que jurei escutar a sua risada no meu ouvido.
Como eu quis como eu quero; dizer o seu nome gritá-lo, fechar meus olhos e depois de abri-los te ter mais e mais uma vez, sentir seu cheiro em mim depois de ter passado horas abraçada em ti, escutá-lo rindo das coisas idiotas que dizemos um para o outro. Rindo do quanto já fizemos e até onde fomos juntos.
Escrevo estas palavras roubadas de dentro do meu coração, pois quando as coloco para fora posso vê-lo aqui e ali, em todos os lugares que eu quiser e ninguém pode mais tirar  de mim. Temo por isso, porém o que mais me estremece é pensar que todo esse sentimento é inválido, que seu coração não bate ao ouvir meu nome, que não fecha os seus olhos para me encontrar, já não sente meu cheiro e não quer mais ouvir nenhum riso meu. Quando penso nisso lágrimas caem dos meus olhos lentamente. Não posso imaginar mais um mundo sem pelo menos as minhas lembranças, porque são elas que fazem com que tudo tenha sido verdade. 
      

Nenhum comentário:

Postar um comentário