sexta-feira, 31 de agosto de 2012

O corredor com muitas portas...

 Tudo tem a ver com o que não se espera. Acredito que quanto menos se espera da vida mais ela pode dar. Quantas e quantas pessoas no mundo começam o seu dia com expectativas e quando ele finalmente chega ao fim encontram uma frustração e pensam que não há porque sorrir.
Já notaram que o mais brilhante que pode nos acontecer chega do nada, sem que a gente espere e fica como uma lembrança que não pode nos ser tirada. São momentos que trazemos de volta em horas em que nada mais faz sentido, que não nos encontramos e que tudo está confuso.
Sim eu não esperava por amigos e amigas maravilhosas e mesmo assim os tenho. Não esperava por esse blog ou por descobrir que eu podia fazer uma coisa diferente e fiz. Não esperava ter me apaixonado por alguém tão diferente de mim e mesmo depois do fim e de muito tempo ainda ter lembranças, mas me apaixonei. Não acreditava ser possível parecer tão perdida tendo chego o momento de estar certa, mas estou. Gostaria de não ter me preocupado com tantas coisas, mas me preocupei.
A vida não tem a ver com o que queremos e esperamos e sim com aquilo que nos surpreende. Tudo pode acontecer de uma forma maravilhosa e no fim seria como se tivéssemos planejado cada passo que não estava previsto. A vida é como um grande corredor com muitas portas e antes do fim dele tenha certeza de que muitas delas serão abertas por engano antes que encontremos a certa.
A porta certa depois de aberta nos trará o que sempre tentamos buscar, a felicidade. 
     

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Procurando por amor em páginas...


Certo dia Carolina procurava em seus livros algum significado concreto para o amor, ela já o tinha lido várias e várias vezes em histórias como Romeu e Julieta e outras menos dramáticas, porém ainda não havia encontrado o que queria: o significado concreto para esse sentimento.
Quanto mais procurava mais parecia que o significado se afastava, como palavras que lia e não sabia interpretar. Amor, que palavra estranha pensava consigo mesma. Passou a tentar observar o mundo exterior ao seu, buscando uma forma de entender o desconhecido que a assombrava durante os dias e as noites. Nada encontrou, nunca havia dado certo mesmo sair de seu próprio e seguro mundo para buscar respostas fora.
Carolina passou a se sentir impotente diante do sentimento desconhecido pensava que nunca encontraria a resposta para sua incansável pergunta: o que é o amor? Ela já não lia mais romances, pois ficava nervosa facilmente e invejava aquelas pessoas que sentiam o que ela nunca tinha sentido de perto, como personagem principal e já tinha se adaptado a ser somente a leitora que se comovia sem nem saber o porquê.
Em uma tarde enquanto passeava no parque com um livro que era a sua mais fiel companhia, observou um casal ao longe e então percebeu que o amor de dentro pra fora não era uma coisa que se podia sentir sozinha, ela precisava encontrar alguém para sentir e ai sim saber o significado. Foi então que uma emoção tomou conta de Carolina e ela se sentiu satisfeita, ela soube que ele andava por ai a espera dela e juntos saberiam o significado desse sentimento complexo e inexplicável.  
Enquanto não o encontrava ela sabia que podia encontrar nos livros a paixão que precisava para seguir em frente! 
      

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Crônica de uma amizade sem fim...

 Gostaria eu de poder ter observado tantas amizades assim nesses meus 17 anos de vida. Sempre procurei por ela em lugares onde não existia e não poderia existir. Então do nada sem a menor preocupação me surgem as melhores amizades que tive durante meus muitos anos no colégio. É tão estranho escrever sobre os meus últimos colegas de escola. Sim pois, tudo na vida tem que acabar um dia o colégio também acaba.
Sem queres desmerecer todos os outros colegas que tive durante minha longa jornada. Porém dessa vez essas pessoas que tive a honra de dividir meus medos, dúvidas e aflições retribuíram por inteiro o que era merecido e isso não tem como esquecer. Mesmo com todas as "zoações", brincadeiras e ataques de infantilidade nos tornamos pessoas inseparáveis ao ponto de saber em muito pouco tempo o que cada um precisa. 
Cada vez mais, eu penso que escolhi as pessoas certas para serem chamadas de amigos neste ano que vem a ser um dos mais importantes. Escrevendo essas palavras ao som de um bom rock que não sei se amanhã ou depois ainda escutarei desejo que cada um desses amigos maravilhosos alcancem seus objetivos de vida e consiga realizar tudo o que planejam é o mínimo que eu posso desejar. 
Quando se passa por um momento obscuro sempre se pensa que as coisas não ficaram melhores, quando se é traído por amigos se pensa que nunca apareceram pessoas que sejam dignas de ocupar esse lugar. Eu encontrei nesse ano pessoas dignas. Ofereço esse post ao meu "cilculo" (porque a nossa amizade não tem fim) Samuel, Otavio, Pedro, Geovanni e Lorena.  
           

domingo, 19 de agosto de 2012

Nunca, nunca deixe o que quer pra depois...

 Eu poderia descrever todos os momentos em que sorri tendo a queles pensamentos que tomavam conta de mim facilmente antes do sono chegar. Poderia dizer o que passa na minha cabeça quando meu coração bate de maneira rápida e depois lenta. Gostaria de entender o porque o amor tem que ser tão difícil e doloroso e temos que passar por situações que nos fazem nem querer levantar de manhã.
 Levantar de manhã é uma vitória. Significa que vencemos o dia anterior mesmo com todas as dúvidas e até mesmo desesperos que nos afligem. Não levantar seria um ultraje com nossa honra, nunca saberíamos se o novo dia seria melhor que o dia anterior e se poderíamos fazer tudo valer a pena.
Cada dia que passa as coisas se complicam, as dúvidas cercam, o medo chega, a saudade aperta, as lágrimas caem, o tempo passa. Desistir por conta disso é covardia, não tentar é inaceitável, sofrer é necessário, pois senão no fim das contas nada valeria a pena.
Mesmo durante as tempestades, se dirija a quele lugar que te da confiança abrace quem se importa, se não puder, se agarre as lembranças que fizeram tudo valer a pena e faça um favor a si, nunca desista da quilo que te faz bem.
    

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Vício Maldito...


Certo dia Carolina percebeu que tinha um vício, não era só um vício era quase uma patologia insana, ela sem saber o que fazer passou a ocultar o seu vício, já que era estranho para quase todos que viviam ao seu redor.
O Vício de Carolina era pela leitura, ela devorava livros em segundos, de todos os tipos e autores. Versos, prosas, crônicas. Ainda não havia se quer um livro que tivesse lido e não gostado. Era doentio, lia e queria ler mais, folhava-os e não conseguia parar, cada vez queria outros.
Seus amigos já tinham parado de tentar tira-la daquele “coma, porém não tiveram nenhum sucesso. Carolina vivia em um mundo inteiramente seu não gostava de sair e nem gostava de ter visitas. Quando se sentia solitária, procurava um personagem tão solitário quanto ela, quando se sentia triste terminava um livro e começava outro com o mesmo prazer.
O único medo de Carolina era ler todos os livros do mundo e não ter mais o que ler, porém do nada batia uma sensação reconfortante de que todos os livros do mundo são muita coisa pra se ler em uma vida. E isso a deixava feliz enquanto voltava a folhar. 
        

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Tende Entender...

 Que em nossas vidas temos erros e acertos, que existem pessoas que nos tratam como uma mera opção, só nos considerando nas horas de necessidade. Que quanto mais procuramos sentido para tudo, não o encontramos em nada, que quanto piores nos formos para os outros, piores eles serão para nós. 
Tente entender que a cada 10 amigos que fazemos, 1 ficará conosco sempre e os outros nove fracassaram na tarefa de nos agradar, assim como nós podemos ter falhado também. Devemos perdoar quem falha, senão nada teria sentido, já parou para contar, desde quando acorda até a hora que vai dormir, quantas vezes falha?  Tende entender que quanto mais quer fugir do choro, mais lágrimas vão aparecer, que nem todas as pessoas que perdemos merecem nossas lágrimas, mas existem a quelas que faltaram lágrimas para podermos chorar por elas.
 Cada vez que entendemos uma coisa, tudo se torna mais fácil, podemos seguir em frente procurando outras coisas para entender. Por mais que algumas coisas pareçam inatendíveis, elas não são, só estão lá nos esperando tirar a quele pingo de maturidade que nos falta para entende-las.  
      

sábado, 4 de agosto de 2012

Um dia Qualquer...

Em um dia qualquer, podemos fazer muitas coisas. Coisas como sair e fazer coisas produtivas ou não fazer nada mesmo. O problema de um dia qualquer é que ele pode nos mostrar várias coisas, coisas que algumas vezes nem gostaríamos de ver, coisas que podem nos machucar de verdade.
A cada dia que passa percebemos mais coisas, pessoas, situações, vidas, momentos. Coisas que preferiríamos esquecer, pessoas que amamos irem embora sem deixar sinal de volta, vidas que se perdem em meio a confusão de sentimentos, momentos que olhamos sem prestar a devida atenção. É triste, porém faz sentido, em um dia qualquer muitas coisas mudam. 
Seria tão mais fácil sermos meros observadores, em nossas janelas fechadas do dia- a- dia do que sentir, sentir qualquer coisas que fosse. Dor, amor, revolta. Cada vez que abrimos nossa janela do dia-a- dia para ver qualquer coisa que seja em um dia qualquer saiba, o que verá não é o que quer ver.
O que verá, nem sempre vai ser feliz, nem sempre vai ser limpo, nem sempre você ficará feliz em ver o que viu. Mas crie esperança, não feche a sua janela, pois ainda há esperança que em um dia qualquer poderemos abir a nossa janela e deixar a brisa entrar sem culpa, pois não haverá mais nada com o que se preocupar e os nossos sentimentos serão finalmente entendidos. 
       

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Quero de volta...

Quero de volta o seu sorriso, as horas de discussões desnecessárias, sua amizade nas horas difíceis, nas horas fáceis, em todos os momentos. 
Quero de volta as suas provocações muitas vezes infantis e sem nenhum sentido. Quero saber o que se passa no seu mundo que é tão diferente do meu. Quero estar na sua vida, mesmo que só como uma narradora que observa os fatos. 
Quero saber quantas vezes amou de verdade, quantas vezes sofreu, quantas vezes chorou. Quero ter você na minha vida, dizer o que não disse, mesmo que não entenda. 
O tempo de antes nunca vai voltar, cada vez mais ele fica pra traz e as nossas vidas mudam. Nunca vamos saber se o que era pra ser foi, ou se não foi! Nunca vamos saber, mas de uma coisa eu sei, quero de volta... Mesmo que não tenha sido e mesmo que não seja!