quinta-feira, 26 de julho de 2012

Seus Olhos...

Dizem que a gente só passa a perceber mais perfeitamente as coisas, ou dar valor a elas depois que as perdemos e ficamos um longo tempo sem elas. Deve ser mesmo verdade, pois não imaginava que ficaria tanto tempo sem olhar tão fundo dentro da queles olhos.
Olhos que refletiam a luz do sol enquanto ele brilhava nas tardes quentes ou frias. Olhos que se enchiam de sentimentos com a minha presença, que refletiam tudo o que nos fazia feliz. Uma das minhas maiores felicidades era olhar dentro deles no silêncio, perceber quando piscavam.
Certa vez não consegui olhar dentro deles, não podia encarar a queles olhos que refletiam a luz do sol, refletirem nenhuma tristeza se quer. Quando eu fecho os meus olhos e me concentro um pouco, ainda posso vê-los lá, intensos me dizendo alguma coisa que tento esquecer e não posso, pois já é parte de mim.
Nunca mais os vi, mas espero poder os ver de novo um dia. Sinto falta de como era e tenho muito medo de esquece-los aos poucos... 
         
   

segunda-feira, 23 de julho de 2012

A varanda precisa...


Ao contrário do meu filme preferido, onde havia uma sala precisa, no meu pequeno e desnecessário mundo há uma varanda precisa.
Lá naquele pequeno espaço, é como se uma vida já tivesse passado, porém, só foram alguns momentos, os mais felizes e os mais tristes também.
Horas olhando para fora nas noites e dias quentes e frios, momentos que são gravados na memória.  
Livros que foram devorados em instantes, melhor forma de passar o tempo na varanda, do meu ponto de vista.
Lá é como se páginas de livros fossem folhadas sozinhas, músicas dos Beatles ecoam e fico pensando nas risadas e lagrimas que eu deixei no lugar, sem contar os pensamentos... A, os pensamentos, alguns deles jamais vão voltar. Tento sem sucesso os trazer de volta, mas eles estão perdidos, viajando em um lugar que eu desconheço.
Talvez, apenas tenham saído pela janela em uma tarde vazia que me fez valer o dia, e talvez eles voltem pra mim. Ou não...
      

domingo, 22 de julho de 2012

Quero você


Quero ser. Quero sentir-te. Quero notar a cor do teu cabelo contra a luz do sol. Quero tirar pedaços de grama das tuas costas. Quero notar os músculos do teu rosto ao sorrir. Quero sentir tua cabeça no meu ombro. Quero pensar em ti o tempo todo. Quero notar a cor dos teus lábios. Quero tirar-te uma risada. Mais uma. Mas não por graça, por coração. Quero sentir o brilho dos teus olhos. Quero notar tuas bochechas. Quero sentir teus lábios aos meus. Quero teu senso de humor. Tua inteligência. Quero tua personalidade. Quero teu espírito insatisfeito com meias respostas. Quero tua sede de saber. Quero teus braços juntos aos meus. Quero medir a palma da tua mão. Quero arquear meus dedos aos teus. Quero dormir pensando em ti. Quero escrever pensando em ti. Quero te sentir. Quero notar tua respiração. Ouvir os batimentos do teu coração. Quero a saudade de não te ter por perto. O alívio de te ver de novo. E a dor no peito de te ver partir. Quero o frio na barriga. Quero saber o que quer. Satisfazer teus desejos. Quero passar um dia sem fazer nada ao teu lado. Quero conhecê-la.
 Quero ser você.
 Mais acima de tudo, pra parar de querer, pra que te esqueça, ou pra fazer que o querer aconteça, preciso saber:
 Quer ser eu?

Victor Alfons... 

PS: Então, eu não faço muito isso, mas é um dos meus textos preferidos de um amigo meu. Se gostou vou deixar os links dele, se não gostou que pena!!! 


segunda-feira, 9 de julho de 2012

E eu falei, e até prometi, que esse não seria pra você e não é!!!

Um dia me disseram que as nuvens não eram de algodão, um dia me disseram que os ventos erram a direção em que sopram. Um dia me disseram que o pra sempre, sempre acaba. 
Um dia me disseram que as coisas são passageiras, que amores nunca são iguais, que sorrisos podem ser falsos e situações forçadas. 
Ouvi dizer que tudo muda em cinco minutos que o coração não escolhe quem amar, que uma música pode nos fazer lembrar de um momento pra sempre, que a dor nem sempre dói do jeito que pensamos que ela vai doer. 
Descobri que existe a amizade verdadeira, porém existe a queles que jamais poderíamos chamar de amigos. Descobri que um sentimento pode ser completamente decepcionante, descobri que um eu te amo pode não dizer nada. 
Ouvi dizer, descobri, amei, esqueci, chorei, esperneei, gritei, me decepcionei, errei, me recuperei, me enganei, e farei tudo de novo! Várias e várias vezes, porque a vida é a sim cheia de descobertas, umas boas e outras más, cheia de erros e acertos...  
    

terça-feira, 3 de julho de 2012

Ela e Ele...

Nem todas as histórias devem ter fins fofinhos, algumas acabam ao vento e outras acabam com um simples "E se...". Se não gosta dessa terminação nem continue lendo, porque pode ser decepcionante. 
Ela era uma menina dessas bem diferente das outras, não ligava para sapatos, esmaltes, maquiagens ou saltos altos, ligava para o seu all star desbotado e para sua forma de ver o mundo, que era uma forma totalmente exclusiva.
Ele, só há uma palavra para descreve-lo DESPREZÍVEL, sim não ligava para qualquer coisa que fosse e nem para ninguém, com um pensamento completamente egocêntrico, só existia uma coisa que ele amasse mais do que a sua jaqueta preta horrorosa: ele mesmo.
Nada neles era comum entre os dois, quase nada, mas não dizem que para que as coisas deem certo independente do pra que, as pessoas as vezes precisam ser um pouco diferentes? Fizeram amizade como tinha de ser, e se encontravam todo dia, porém ela quebrou todas as regras e parou de enxergar um carinha desprezível, se apaixonou por quem tinha se transformado em seu melhor amigo. 
Ele... Mistério total, anos se passaram e ela nunca soube a verdade. Nunca soube o que ele sentia ou se já sentiu algo por ela durante a existência da amizade. 
Até que em uma noite... Em uma conversa distraída, dessas que a gente tem na internet quando bate o tédio, um dialogo fez toda a diferença:
 ele: - Vai assume que você já gostou de mim.
 ela: - Que diferença isso faz?
 ele: - ^^ 
 ela: - Olha...
 ele: - Mas vamos fazer o seguinte...
   Nunca, nunca mais vamos falar sobre isso de novo. 
Promete? 
Pode cortar o seu dedo ai, promete e pronto. 
ela: - Ok prometo.
Ela nunca contou pra ele, e depois da promessa provavelmente nunca vai contar, ela viu ele se transformar em um cara legal, viu ele parando de ser desprezível e nunca contou pra ele e a unica coisa que permanece depois desses anos todos são duas palavras: E SE? 
        
   

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Crescendo...

Crescer é uma coisa bem engraçada, pois um dia você acha que cresceu e do nada descobre que não, e quando menos espera é como se tivesse crescido do nada. Isso é fácil de se ver, é só observar as suas próprias atitudes e até mesmo as atitudes de pessoas que te cercam.
Esses dias eu li uma frase que dizia: " Percebemos que a gente cresceu quando o que nos fazia chorar, agora nos faz rir." Eu penso que é bem assim mesmo, quantas vezes a gente já chorou por coisas que não valiam a pena, se desesperou por uma coisa nada a ver e depois de um certo tempo, rimos mesmo da burrada toda. Apesar que se pararmos para olhar, nem foi tão burrada assim, porque aquilo que nos fez chorar e agora nos faz rir, entrou em um longo processo de amadurecimento pelo qual a nossa vida passou e ainda vai passar. 
 É legal perceber que crescemos, mas não podemos esquecer que ainda vamos continuar crescendo, por isso nunca se culpe de uma atitude imatura... Porque essa atitude vai te fazer crescer depois.