segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Gostaria de compartilhar uma poesia que escrevi, nunca havia escrito uma antes, porém alguém muito importante para mim no momento me inspirou para escrevê-la.


       Tive sorte por ter te encontrado!
     Em um dia de céu nublado,
     Fomos brevemente apresentados
     Muito tempo então se passou
     E muita coisa mudou...
     Meses, dias, horas
    
   Nos encontramos novamente
   Nada eu e você tínhamos em mente!
   Conversas, sorrisos, coisas em comum
   Tudo foi crescendo intensamente!

  Então, novamente em um dia nublado
  Nos encontramos, e tudo ainda estava conturbado.
  Confusões, medos e distrações nos separavam...

  Confesso que estava cansada
  De tantos e tantos dias nublados
  Então chegou o ultimo deles, o mais importante!
  O dia em que choveu no fim da tarde
  O dia em que nada ficou para mais tarde
  O dia em que meus lábios tocaram os seus.



PS: espero escrever outras em breve! 

sábado, 29 de dezembro de 2012

Nostalgia 60....

         Talvez, talvez, talvez
     Nada de fato valerá à pena!

     Vamos nos desprender
     desse mundo sujo.
    
     Cantar, beber ou transar.
     O que você quiser
     Ninguém é de ninguém.

    Vamos fazer o que fazemos
    Melhor!

   Se te encher fuja! Sei lá
   Só não fique prezo a nada
   A liberdade vale muito.

   Ou tem medo de ser você mesmo?
   Enquanto a musica tocar,
   Estará tudo bem.

  O que essa vida maldita quer?
  Sexo com duas mil pessoas
  Para acabar sozinho jogado em um banheiro químico.
 
  Que se foda a vida
  Vamos fazer o que fazemos melhor!
  Cantar, beber ou transar
  Blues, Whisky, Drogas e Vodca
  Não se sinta prezo a nada.
  Porque 27 anos bem vividos
  São melhores que 88 perdidos.

Carlos Bertuzzi






quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Cresça...

        O que significa crescer no fim das contas? Será só o tamanho ou aquela palavrinha chamada maturidade que chega com o tempo? Será que crescer não é só superar as expectativas que pessoas criam pra você, do tipo fazer faculdade, ter um bom emprego, etc.
  Mas particularmente crescer pode ter outros significados amplos como deixar coisas passarem, aprender a entender coisas que não eram entendidas, ficar confuso e depois descobrir que continua na mesma confusão absurda de antes, ter espaço para errar e cometer algumas rebeldias, filosofar sobre coisas que não tem muito sentido.
 No fim crescer não é nada daquilo que imaginamos. É apenas chegar a uma idade e perceber que nada mudou que ainda somos os mesmo de antes com as imaturidades e ataques de insegurança, é como um beco sem saída que precisa de uma saída digna do tamanho do futuro que nos aguarda, porém o futuro é incerto por isso não devemos esperar muito dele.
 Somos diariamente cobrados sobre isso: “vê se cresce”, “Quando você crescer as coisas vão mudar”, bla bla bla. Quem foi que disse que as pessoas que dizem isso já cresceram o suficiente pra poder dizer isso? Ser adulto é apenas um título que vem com o tempo e nada mais. 
          

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012


     Caminhando sozinha, lentamente algumas vezes paro para observar as pessoas que encontro pelo caminho, outras olho para o céu onde encontro nuvens se formando. Gostaria que o caminho durasse mais para que todos os meus devaneios fossem respondidos. Quando chego ao fim do caminho gosto de olhar para traz onde posso ver tudo o que percorri em tão pouco tempo e as coisas que deixei para traz e não notei.
    Assim é a nossa vida, com caminhos tortuosos, meias palavras, dores e sofrimento. Dizem que isso tudo nos leva para algum lugar onde somos pessoas adultas e podemos lutar contra isso para poder olhar para traz e admirar nosso crescimento como pessoas! Hoje somos uma coisa e amanhã já estamos diferentes, um pequeno detalhe pode mudar tudo mesmo que não pareça possível.
        

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Inquieta...


Inquieta, sentada, as horas não passam, um mundo de possibilidades gira a minha volta sem que eu possa perceber. Meu coração bate, não consigo ficar em silêncio comigo mesma, fecho meus olhos e posso ver, quase consigo tocar a pessoa hipotética a me esperar com um livro aberto. Gostaria que fosse outro alguém seria mais fácil.
         Quem disse que as coisas são fáceis? O garoto hipotético com seu livro tão desastrado quanto eu me fez ver coisas de ângulos diferentes. Deveria ter fugido, não deveria ter facilitado, aberto o jogo, iniciado toda aquela seção de “como é tudo lindo e brilhante quando o amor acontece”! Quem disse que é amor? Como pode ser? Não deveria.
       Ele lá, eu aqui dois mundos, duas pessoas, duas fases, medos, incertezas, medos, mensagens, fotos, olhares, parecemos dois idiotas em tão pouco tempo. Isso faz com que eu escreva desesperadamente para descontar as horas de ansiedade de uma coisa que como sempre vem me arrasa e depois se vai e me deixa sozinha como uma criança que perde o seu brinquedo favorito.
        Não quero, não preciso passar por esse paradoxo contraditório de novo, mas eu sei de uma coisa nunca, nem em meus devaneios alguém me deixou assim tão confusa antes... 
            

sábado, 8 de dezembro de 2012

Fora de órbita...


Quando ele está aqui é como se alguma coisa me deixasse um pouco mais feliz, como se eu tivesse um motivo a mais pra sorrir, uma distração que me tira da terra firme com os problemas e frustrações e me leva para orbitar em outro mundo, um mondo em que eu me sinto segura.
Gostaria apenas de saber se isso significa algo ou são apenas mais coisas que a minha cabeça imagina pra depois eu me desfazer em lágrimas e me lembrar de que a vida não é um conto de fadas onde visitamos outros mundos.
Tenho medo, penso, repenso, espero, temo que o depois seja tarde de mais assim como tudo aquilo que passa e nunca é dito ou feito. Na realidade queria um sinal, mas que fosse concreto. Afinal, não existe uma bola de cristal para se saber quando alguém gosta da gente, embora dessa forma tudo fosse mais fácil. Às vezes penso que sim, em muitas outras penso que não e enquanto isso aqueles lindos olhos me perseguem, mas isso é só porque eu deixei que fizessem isso. Como pode? Rendida por um olhar, mas é um lindo olhar que transmite algo que ainda quero entender porque no momento não sei o significado.
Horas e horas de conversas, músicas e bandas em comum, filmes e livros. Isso tem que significar algo, algo além de uma amizade que eu já tenho! 
             
          

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Olhos...


Perseguem-me enquanto passo, estão lá abertos às vezes piscam outras ignoram. Trazem-me segurança, ansiedade, ironia. São fundos, não quero perde-los, quando encarados profundamente, são capazes de hipnotizar por horas sem menor piedade.
Se eu simplesmente pudesse defini-los apenas diria indecifráveis. Não é possível desvendar aquele enigma por traz deles só sei que me atraem de uma forma curiosa. São lindos olhos capazes de iluminar um dia nublado e infeliz, o medo de adquirir um vicio por eles é concreto, pois  chegam a criar uma expectativa que me faz contar as horas para vê-los de novo.
São lindos olhos que eu quero olhando dentro dos meus olhos por um longo tempo para que eu possa senti-los, decifrá-los nem que seja só um pouco, só pelo prazer te ter-los. 
               

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Ser ou Ter???


Li um texto do Nietzsche que nos falava que ninguém é melhor que ninguém e sinalizava que todo ser humano acaba buscado se sobressair ao outro como forma de satisfazer pessoalmente a si próprio.
Lendo aquelas palavras pude perceber que a vida é muito mais do que ficar tentando ser mais do que os outros, nós aqui tentando nos sobressair e muitos outros tentando realmente ser alguma coisa melhor, mas não para esfregar na cara de todo mundo, e sim  existencialmente falando.
Nem sempre TER significa SER, do que adianta ficar se mostrando pras outras pessoas e no fim das contas, quando ninguém enxerga derrubar lágrimas porque vive em um mundo de mentiras onde TER, TER, TER é muito mais importante que buscar algo verdadeiro.
A verdade é: nada é mais importante do que viver em um mundo verdadeiro, onde se importar com as pessoas que ama é melhor do que fazer com que elas se sintam mal.
              

sábado, 24 de novembro de 2012

Foto roubada...


Devo estar ficando louca, ou posso não estar vendo com clareza as coisas. Cai em um abismo tão fundo e tão indelicado que já não sei distinguir meus sentimentos. Não sei perceber coisas que fazem a diferença, mas eu tenho medo, muito medo. Todos os dias acredito que só afasto pessoas, são pessoas que eu me importo, que amo, pessoas que eu queria por perto.
Tento interpretar lentamente a expressão que vejo cada centímetro e não muito tempo depois já posso ter aquela imagem guardada na minha mente, ainda não sei o que significa, temo não descobrir e novamente deixar passar.
Roubei sim aquela foto, não me envergonho. Alguma coisa na expressão dele me trazia de novo para um mundo onde um coração pulsando forte é real, onde se da importância para horas de conversas em um simples chat e onde alguém presta total atenção em você.
Às vezes penso estar fazendo algo de errado, tenho medo de voltar e arriscar toda a segurança que acabei de construir novamente. Volto a insistir, tenho medo de serem apenas devaneios... 
              

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Páginas de descobertas...

  Folhando páginas cada vez mais rápido á medida que a vontade de descobrir aumenta; a cada minuto que passa letras, vírgulas e pontos são devorados. Vão para algum lugar, um sub consciente cheio de tudo oque você já pode absorver daquelas maravilhosas linhas. 
 Lá é um mundo inteiramente seu, onde pode ser exatamente aquilo que quer ou já pode imaginar algum dia. Diversidade de mundos, países e cidades ao folhar um livro você pode se teletransportar para onde bem entender!  Pena que a viajem nem sempre é longa e na volta sempre fica a vontade de voltar. 
 Votar do se mundo é como pensar que tudo não passou de um devaneio despertado por um ponto final redundante... 
           

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

É só isso...


É engraçado decidir o futuro inteiro com apenas algumas folhas com muitas perguntas, chega a ser contraditório! Antes as coisas eram tão fáceis escolhas nem eram palavras concretas, agora quase posso tocá-las. Quantos e quantos dias sem preocupações pra agora ter de ver decisões sendo tomadas e pessoas queridas indo embora!
Temos que correr atrás dos nossos sonhos sem cessar, mas será que é mesmo possível? Será que existe um sonho alcançável?? Será que tudo não passa de uma mera ilusão improvável... Cada dia que passa eu penso que nada sou em um universo tão grande com tantas pessoas que sonham mais do que eu.
Um potinho no meio do nada com sonhos que talvez possam ser alcançados. Frustrante, só isso...
            

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Peça de Xadrez...

Era sempre assim, dia após dia aquele contentamento descontente ela nunca sabia se ele a amava sinceramente ou se tudo não passará de apenas mais um negócio. A rotina interminável, cortes educadamente desnecessárias, jantares entediantes, pessoas fúteis e estratégias para jogos de xadrez. 
As vezes se sentia indiferente a tudo ou se via apenas como um reles peão em um grande tabuleiro esperando pela próxima jogada. Ninguém, ninguém era capaz de ama-la.
          

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Chove lá fora...


Chove lá fora, pingos batem na minha janela rapidamente, rapidamente como a pressa de livrar-me de tudo o que me prende. Livrar-me da sua repreensão ridícula, da sua falta de incentivo, da sua falta de tudo. Não ligo para o que você, gosta ou pensa de mim, aprendi a tratar sua existência como você trata a minha, como alguém que apenas está    ali e tem que ser lembrado dia- após- dia.
Tratei de buscar as palavras amigas e de incentivo de outras formas e com outras pessoas. A única coisa que tenho certeza, além de que está chovendo agora é que não sou e nem quero ser parecida com você de forma nenhuma nem só por parecer!
Peço desculpa se o texto te ofende, porém às vezes não gostaria nem de existir, mas já que existo conviva com a minha forma de ser porque isso quer queira quer não é sua obrigação, não para o resto da vida, sorte para nós.
Não ligo que não me entenda,  não participe de nada, não leia meus textos e ligo menos ainda para o que diz á meu respeito o que você fala para me desestimar apenas faz com que eu seja uma pessoa melhor para aqueles que realmente importam.   
      

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Não é bem assim como dizem...

Já pararam um minuto para observar o que te faz ser diferente das outras pessoas? Quem é que diz que você é diferente ou estranho? Só porque foge de um determinado padrão de menina ou menino não é significado de estranheza ou antipatia, ou só porque não fica o tempo todo agarrando alguém não quer dizer que não é normal. 
Qual é, quem disse que está certo toda menina ser fútil, fácil e ser o centro das atenções o tempo todo. Então quer dizer que as que não fazem isso são menos meninas do que as que fazem? Penso que não. Posso não chamar a atenção sendo linda, com um copinho de modelo americana, mas chamo atenção pelo meu senso crítico e inteligência e não por futilidades. Posso não chamar a atenção de um determinado grupo de meninos mas em uma roda de discussão política ou social com certeza as pessoas me notam. 
Quem foi que colocou na cabeça do mundo inteiro que para ser menina tem que ter milhões de esmaltes, chapinha e maquiagem somente? Devemos sim ter isso mas precisamos do resto. Eu sou bem feliz com um caderno de anotações, idéias e uma mente bem aberta.
             

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Memória...

 Hoje fazem 11 anos que eu perdi uma pessoa muito importante na minha vida, meu tio. Ele era o único irmão da minha mãe, então ele participou de boa parte da minha vida. É muito difícil lidar com perdas, principalmente nessa etapa da vida em que decisões são tomadas e coisas mudam, eu sei que faz muito, muito tempo mas mesmo assim é complicado. 
 Gostaria de oferecer esse post em memória dele agora que é um momento muito importante pra mim. 

 Sinto sua falta, mesmo que o tempo tenha passado e que eu tenha crescido. Gostaria que estivesse aqui, participando dos meus bons e maus momentos, me aconselhando nas decisões difíceis. Sei que o lugar onde você está é melhor do que esse onde estamos, lembro-me dos momentos em que esteve comigo e com nossa família. 
Obrigada por ter existido em nossas vidas, você foi o melhor tio do mundo inteiro. 
     

terça-feira, 30 de outubro de 2012

...

     Minha intenção foi coroada com êxito. Embora eu me tornasse um objeto de maior interesse para todos os meus conhecidos, caso estivesse perdidamente apaixonada, não posso dizer que lamento a minha comparativa insignificância... {...} 

Orgulho e Preconceito- Jane Austen! 
   
    

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Olhos Azuis...

 São olhos de um azul profundo, chegam a hipnotizar qualquer pessoa que os olhe profundamente. São olhos sinceros, gostaria tanto que expressassem mais do que uma simples admiração.
 Do que adianta a admiração se já não enxergo o azul profundo daqueles lindos e amáveis olhos. Sofro de paixão platônica, porém de apenas um olhar. Um lindo olhar! 
           

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Dia sem fone...

Andando pelo centro de Curitiba mais precisamente perto do HSBC observo pessoas bem sucedidas e enquanto continuo caminhando ao mesmo tempo posso ver também pessoas meramente entregues ao acaso em banco de praça com somente um cobertor no frio e sob um céu nublado. É nessas horas que eu penso: Que país é esse??? 

PS: Escrevi este texto após o relato do meu amigo Otávio que estava no centro da cidade em que eu moro em um dia que não tinha o fone de ouvido e então percebeu essa situação. Isso serve para que a gente pense que enquanto vivemos em um mundo inteiramente nosso, existem pessoas que não fazem parte dele e que não são notadas, mas que deveriam ser!!! Somos seres realmente egoístas. 
             
    

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Ele...

 É ele quem faz o meu mundo parar. Quem me faz sorrir depois de um devaneio. Ele que me irrita com as meias palavras e tanta despreocupação. Ele é quem tem razão, quase como um "grilo falante" que me fala á consciência. É ele que as vezes rouba os meus sonhos. Quem me traz inspiração, quem me faz chorar sem motivo concreto. É ele quem eu amo, e não tenho certeza de ter amado outra pessoa de tal modo. É ele, um amigo, que não sabe quanto tempo já venho pensando em tudo isso, que não sabe quantas vezes por dia fecho meus olhos para encontrar uma coisa que tenha deixado escapar, algo que traga sentido para toda essa confusão que criei. AMIGO, é o que repito pra mim. Somente amigos... 
          

sábado, 20 de outubro de 2012

Um dia...

 Um dia a gente cresce, mesmo com medo de descobrir o que há em frente. Um dia fazemos novos amigos, mesmo sabendo que os velhos sempre estarão lá e nunca serão substituídos. Um dia nos apaixonamos pensando que é pra sempre e no outro descobrimos que nada dura pra sempre e que amar pode significar sofrer. Um dia perdemos pessoas para sempre, mas com elas sempre vai um pedacinho nosso.
Um dia a gente cresce. Crescer pode não ser fácil mas é preciso, é como piscar os olhos e descobrir que as coisas são um pouco mais complicadas, porém não impossíveis. Agora tudo pode parecer difícil e confuso, mas no futuro tudo fará um pouco mais de sentido. 
A vida pode parecer na maioria das vezes uma novela mexicana cheia de capítulos intermináveis e repetitivos. Vai de cada um transforma-la na série que mais gosta de assistir. 
    



domingo, 7 de outubro de 2012

Um minuto...

A vida é curta. Curta de mais para ficarmos nos lamentando do que fizemos ou do que não deu certo de algum modo, o que ficou pra traz é apenas passado. Cada dia é um novo dia, se tem algo que quer fazer faça, não ligue pro que pode dar errado ou no que os outros vão pensar a vida é sua. 
O problema de deixar algo de importante pra traz e nem tentar resolver no futuro é passar uma vida se lamentando, mas se mesmo tentando não der certo pense apenas que não era pra ser e esqueça, mesmo que seja difícil, mesmo que pareca ser impossível, uma hora da para conseguir.
Se você tivesse sei lá um minuto de vida o que faria hoje? Ficaria esse um minuto se lamentando de uma vida inteira, ou tentaria fazer a sua existência ter valido à pena? Eu, provavelmente tentaria fazer minha vida ter valido à pena, mesmo não sabendo agora oque isso significa.  
                 


sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Pergunto-me.


Pergunto-me se ele existe, se está por ai inquieto buscando uma causa para defender um motivo para levantar-se de manhã. Cada dia que passa, penso que a existência dessa pessoa não passa de um mero sonho existencialista. Por sua vez esse alguém não existe e eu, apenas sonho acordada com a possibilidade frustrada de fazer com que tal pessoa exista e ponto.
Gostaria de moldar esse alguém, pode ser que só assim passe a existir. Muitas vezes me vi como único problema o que me levou a frustração, que infeliz viver de uma maneira frustrada e perceber memórias de coisas que nunca aconteceram realmente. E saber que são apenas frutos da imaginação. 
      

domingo, 30 de setembro de 2012

Relativismos a parte.

No fim das contas é o que sempre parece ser. Um sorriso bonito não sorri pra você, o olhar que você pensou dizer uma coisa, no fim das contas quer dizer algo completamente diferente. São os simples enganos da vida eles fazem a gente perder um pouco de tempo mas podem servir pra alguma coisa positiva. Podem servir de criatividade ou de motivação, pois como li no face esses dias "até um pé na bunda te da um empurrãozinho"! O problema é quando não se encaram essas coisas ou desencantos como coisas positivas e sim como desgraças do mundo ou conspirações feitas unicamente pra nos deixar pior. Sim, o cumulo do absurdo é acreditar que a vida é uma conspiração cósmica que envolve apenas o azar sem fim.
  Tudo é questão de ver a vida de uma perspectiva mais ampla: e dai se você teve dois namorados que te fizeram sentir como uma idiota? Se cada dia que passa você se sente mais confusa sobre tudo? Que você sente muito por um dia ter se apaixonado pelo seu melhor amigo e ainda não saber nada sobre isso, mesmo depois de 4 longos anos, e dai que o ensino médio está acabando e você morre de medo de fracassar em tudo que sempre quis graças ao seu medo hipócrita, se tem medo de perder as suas melhores amigas por conta da distância. 
  Sorria, pare de pensar nisso, enquanto você choraminga crianças dormem no relento, enquanto você se sente um fracasso adolescentes sem oportunidades se perdem no tráfico de drogas, enquanto reclama da ausência de alguém importante, pessoas são sozinhas e não tem ninguém com quem contar. Faça um favor a sim mesma e seja menos egoísta. 
 Essas podem ser apenas palavras escritas e espalhadas de uma pessoa sem moral, mas já parou pra pensar no quanto somos egoístas e egocêntricos? Aposto que não. 
              
             

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Paixão Platônica.

    Chega sem avisar, destruidora, não pede licença para se apossar das emoções. É algo exclusivo fica lá martelando e martelando, algumas vezes dói outras não. Para encontrar uma não precisa de muito, em um segundo se está racional já no outro não se sabe.
   Precisa-se de olhares, não necessariamente um olhar reciproco, pode ser o olhar de apenas uma pessoa. A outra muitas vezes nem sabe que existe alguém que a observa curiosamente através da multidão. Não conhece nem a existência. Triste amar alguém que não sabe da sua existência e se sabe não à reconhece. 
   Decoram-se  movimentos, sorrisos, olhares, vida nem que seja só pelo simples prazer de apenas saber. Passar por isso é como ser a espectadora da vida de alguém. Pode nem fazer sentido, porém sempre se tem a esperança de cruzar com esse alguém e não ser mais a expectadora silenciosa. Apenas para que esse alguém saiba que você está lá, que existe. 
       
     

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

O Caos...

      Olho para o caos, o meu caos particular aquele com quem me encontro todos os dias, sobrevivo á ele hora após hora. Não é apenas um caos de desorganização, como costumo ouvir é um caos de existência.
Todas as vezes que o observo silenciosamente é como se por alguns instantes tivesse controle de algo, algo que existe. Particularmente observo coisas espalhadas em todos os lugares, esperando para serem guardadas em algum momento. É o meu dever perante o caos, só que não há vontade. Que tipo de pessoa gosta de viver em um mundo assim? Com o Caos instalado ao próprio redor.
Ele é um companheiro silencioso, observador que diz muito sobre a pessoa que o mantém. É um amigo que sempre está lá nas horas necessárias, nos momentos de dor e felicidade. Tudo é espalhado, independente do caos em si. Sentimentos, vontades, necessidades, pessoas. Tudo, tudo se remete ao caos.   
Pelo menos ele não te abandona, a não ser que queira; é algo que só se vai de acordo com a própria vontade. Portando em algumas situações, mas só em algumas. Confie nele, pois é quem estará sempre lá te esperando. 
            

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

O ultimo texto...

   Não se podem contar quantas vezes meu coração bateu acelerado só de ouvir seu nome, quantas vezes fechei meus olhos para poder te encontrar em qualquer lugar que eu quisesse, todas as vezes que senti seu cheiro quando o vento batia, ou as vezes que jurei escutar a sua risada no meu ouvido.
Como eu quis como eu quero; dizer o seu nome gritá-lo, fechar meus olhos e depois de abri-los te ter mais e mais uma vez, sentir seu cheiro em mim depois de ter passado horas abraçada em ti, escutá-lo rindo das coisas idiotas que dizemos um para o outro. Rindo do quanto já fizemos e até onde fomos juntos.
Escrevo estas palavras roubadas de dentro do meu coração, pois quando as coloco para fora posso vê-lo aqui e ali, em todos os lugares que eu quiser e ninguém pode mais tirar  de mim. Temo por isso, porém o que mais me estremece é pensar que todo esse sentimento é inválido, que seu coração não bate ao ouvir meu nome, que não fecha os seus olhos para me encontrar, já não sente meu cheiro e não quer mais ouvir nenhum riso meu. Quando penso nisso lágrimas caem dos meus olhos lentamente. Não posso imaginar mais um mundo sem pelo menos as minhas lembranças, porque são elas que fazem com que tudo tenha sido verdade. 
      

Questão de sentimentos...

           Cada passo que damos para frente equivale a algo que ficou para traz. Um amor, um sentimento, alguém, uma amizade. Nem tudo o que ficou, gostaríamos que tivesse ficado, porém não há nada que se possa fazer, pois o ontem sempre será ontem. Uma coisa que não volta nem que rebusquemos em lembranças ou vontades.
  Assim, nem um amor é como o outro, nem uma amizade é tão evoluída como aquela, nem todas as pessoas são como pensamos que eram inicialmente. A cada segundo, algo fica para traz, para o ontem e esse ontem se torna o ano passado e assim ele envelhece junto conosco. Ano após ano, minuto após minuto e segundo após segundo. Então quando nos deparamos estamos vivendo o agora, mesmo querendo que ainda seja o ontem.
 É inevitável, os momentos não retrocedem como uma fita cassete que se pode voltar quantas e quantas vezes quiser. Besteira achar que podemos fazer tudo acontecer novamente, mesmo que haja vontade, pessoas mudam, sentimentos se confundem, porém infelizmente ou felizmente os momentos prevalecem.
Sim, eles estão lá guardados em um caixinha que só nós podemos destrancar. Uns sempre destrancam, outros nunca querem abri-la. Sinto muito por aqueles que não revivem momentos e sinto mais por aqueles que como eu, fazem deles os mais duros dos sofrimentos. Sentir falta de momentos, saber que eles não vão voltar iludir-se; deve ser uma das maiores dores depois da perda.
Da pra saber que às vezes é melhor nunca ter tido algo, para não sentir a dor de perder e ainda sentir que os momentos ainda estão guardados. Fazendo-nos chorar, rir, nos fazendo sentir o aperto que foi ter de ver alguém partir.
Mais que droga! Como é detestável saber que ninguém te entende, ninguém sabe o quanto dói não saber para onde ir e nem o que fazer. Sentir o vazio de não querer ser mais nada, de não querer existir de querer sumir e não voltar. Não voltar seria covardia. Ir seria fraqueza. Como resolve isso? Não sei, provavelmente sorrindo pra tudo e para todos enquanto por dentro nem da pra saber o tamanho da dor que se sente, mas ela esta lá e aperta de tempos em tempos.  Cada passo que damos para frente equivale a algo que ficou para traz. Um amor, um sentimento, alguém, uma amizade. Nem tudo o que ficou, gostaríamos que tivesse ficado, porém não há nada que se possa fazer, pois o ontem sempre será ontem. Uma coisa que não volta nem que rebusquemos em lembranças ou vontades.
  Assim, nem um amor é como o outro, nem uma amizade é tão evoluída como aquela, nem todas as pessoas são como pensamos que eram inicialmente. A cada segundo, algo fica para traz, para o ontem e esse ontem se torna o ano passado e assim ele envelhece junto conosco. Ano após ano, minuto após minuto e segundo após segundo. Então quando nos deparamos estamos vivendo o agora, mesmo querendo que ainda seja o ontem.
 É inevitável, os momentos não retrocedem como uma fita cassete que se pode voltar quantas e quantas vezes quiser. Besteira achar que podemos fazer tudo acontecer novamente, mesmo que haja vontade, pessoas mudam, sentimentos se confundem, porém infelizmente ou felizmente os momentos prevalecem.
Sim, eles estão lá guardados em um caixinha que só nós podemos destrancar. Uns sempre destrancam, outros nunca querem abri-la. Sinto muito por aqueles que não revivem momentos e sinto mais por aqueles que como eu, fazem deles os mais duros dos sofrimentos. Sentir falta de momentos, saber que eles não vão voltar iludir-se; deve ser uma das maiores dores depois da perda.
Da pra saber que às vezes é melhor nunca ter tido algo, para não sentir a dor de perder e ainda sentir que os momentos ainda estão guardados. Fazendo-nos chorar, rir, nos fazendo sentir o aperto que foi ter de ver alguém partir.
Mais que droga! Como é detestável saber que ninguém te entende, ninguém sabe o quanto dói não saber para onde ir e nem o que fazer. Sentir o vazio de não querer ser mais nada, de não querer existir de querer sumir e não voltar. Não voltar seria covardia. Ir seria fraqueza. Como resolve isso? Não sei, provavelmente sorrindo pra tudo e para todos enquanto por dentro nem da pra saber o tamanho da dor que se sente, mas ela esta lá e aperta de tempos em tempos.
           

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Explique-se

 Explique-se para não perder um amigo. Para que não aconteçam mau entendidos. Para que o dito fique pelo não dito ou visse e verça! Explique-se quando falar algo errado, não deixe para depois. Explique-se quando o assunto for o amor, não se sabe quanto tempo ainda resta. 
 Não tenha vergonha. A sua opinião ou explicação deve vir antes de qualquer coisa. Questione e explique-se todas as vezes que achar necessário. 
  Quando não nos explicamos é como se o que passa dentro de nossas cabeças não tivesse importância ou valor. Por isso não se importe de explicar importe-se de calar. Quem cala consente e quem consente muitas vezes também se omite. Imagina só se omitir de uma explicação. Não há motivo. 
  

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Carolina se apaixona por alguém que não é um livro.


Carolina nunca havia se sentido amada. Isso nunca foi um segredo, tudo era refletido nela mesmo todos falavam sobre como ela parecia nem gostar de si por conta desse fato. Mas como gostar de si com o pensamento de que ninguém mais poderia gostar? Era o que fazia Carolina refletir.
Ela sempre soube que as únicas pessoas que a amavam, eram seus livros. Sim, os livros para a menina eram pessoas e não só pessoa eram quem ela podia contar nas horas mais alegres e vazias de sua vida. Digo de antemão que Carolina NUNCA imaginou encontrar alguém tão rápido que além dos livros a fizesse tão bem. Nem em seus devaneios aonde ela ia para as mais belas histórias.
Foi em uma tarde de inverno úmida e gelada ela estava sentada embaixo de uma árvore na sua praça preferida do bairro, quando do nada enquanto lia mais um capítulo de Orgulho e Preconceito aconteceu: Um garoto de óculos, alto e magricela tropeçou em um desses buracos que às vezes aparecem no gramado. Bem na frente dela.
Carolina que nunca para de ler, olhou para ele que estava completamente esticado no chão. O garoto estava desconcertado, não sábia o que dizer, nem sabia como mexer os lábios de tanta vergonha.
O garoto era desses que nunca chegava muito perto de meninas, e no dia em que finalmente chegou foi com um tombo. Isso era mesmo uma catástrofe para qualquer um. Depois de alguns minutos no chão ele se levantou e quando foi se virar para seguir seu caminho, Carolina tocou seu ombro em um gesto de curiosidade e solidariedade com quem havia acabado de cair na sua frente. Ele se virou e encarou Carolina. Eles se encararam e enquanto isso no mundo dela girava em meio a todas as cenas de histórias que representavam esse acontecimento só que agora esse era o seu momento então ela se entregou a isso e viajou olhando nos olhos verdes do garoto que faziam reflexo nos óculos de um jeito lindo. Os olhos dela brilhavam, seu coração batia acelerado, seu estomago tinha borboletas gigantes, não conseguiam se lembrar de como respirar. Tudo passava em sua cabeça, mas ela não sábia que ele também sentiu a mesma coisa que ela. Eles estavam se apaixonando. 
   
        

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

O corredor com muitas portas...

 Tudo tem a ver com o que não se espera. Acredito que quanto menos se espera da vida mais ela pode dar. Quantas e quantas pessoas no mundo começam o seu dia com expectativas e quando ele finalmente chega ao fim encontram uma frustração e pensam que não há porque sorrir.
Já notaram que o mais brilhante que pode nos acontecer chega do nada, sem que a gente espere e fica como uma lembrança que não pode nos ser tirada. São momentos que trazemos de volta em horas em que nada mais faz sentido, que não nos encontramos e que tudo está confuso.
Sim eu não esperava por amigos e amigas maravilhosas e mesmo assim os tenho. Não esperava por esse blog ou por descobrir que eu podia fazer uma coisa diferente e fiz. Não esperava ter me apaixonado por alguém tão diferente de mim e mesmo depois do fim e de muito tempo ainda ter lembranças, mas me apaixonei. Não acreditava ser possível parecer tão perdida tendo chego o momento de estar certa, mas estou. Gostaria de não ter me preocupado com tantas coisas, mas me preocupei.
A vida não tem a ver com o que queremos e esperamos e sim com aquilo que nos surpreende. Tudo pode acontecer de uma forma maravilhosa e no fim seria como se tivéssemos planejado cada passo que não estava previsto. A vida é como um grande corredor com muitas portas e antes do fim dele tenha certeza de que muitas delas serão abertas por engano antes que encontremos a certa.
A porta certa depois de aberta nos trará o que sempre tentamos buscar, a felicidade. 
     

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Procurando por amor em páginas...


Certo dia Carolina procurava em seus livros algum significado concreto para o amor, ela já o tinha lido várias e várias vezes em histórias como Romeu e Julieta e outras menos dramáticas, porém ainda não havia encontrado o que queria: o significado concreto para esse sentimento.
Quanto mais procurava mais parecia que o significado se afastava, como palavras que lia e não sabia interpretar. Amor, que palavra estranha pensava consigo mesma. Passou a tentar observar o mundo exterior ao seu, buscando uma forma de entender o desconhecido que a assombrava durante os dias e as noites. Nada encontrou, nunca havia dado certo mesmo sair de seu próprio e seguro mundo para buscar respostas fora.
Carolina passou a se sentir impotente diante do sentimento desconhecido pensava que nunca encontraria a resposta para sua incansável pergunta: o que é o amor? Ela já não lia mais romances, pois ficava nervosa facilmente e invejava aquelas pessoas que sentiam o que ela nunca tinha sentido de perto, como personagem principal e já tinha se adaptado a ser somente a leitora que se comovia sem nem saber o porquê.
Em uma tarde enquanto passeava no parque com um livro que era a sua mais fiel companhia, observou um casal ao longe e então percebeu que o amor de dentro pra fora não era uma coisa que se podia sentir sozinha, ela precisava encontrar alguém para sentir e ai sim saber o significado. Foi então que uma emoção tomou conta de Carolina e ela se sentiu satisfeita, ela soube que ele andava por ai a espera dela e juntos saberiam o significado desse sentimento complexo e inexplicável.  
Enquanto não o encontrava ela sabia que podia encontrar nos livros a paixão que precisava para seguir em frente! 
      

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Crônica de uma amizade sem fim...

 Gostaria eu de poder ter observado tantas amizades assim nesses meus 17 anos de vida. Sempre procurei por ela em lugares onde não existia e não poderia existir. Então do nada sem a menor preocupação me surgem as melhores amizades que tive durante meus muitos anos no colégio. É tão estranho escrever sobre os meus últimos colegas de escola. Sim pois, tudo na vida tem que acabar um dia o colégio também acaba.
Sem queres desmerecer todos os outros colegas que tive durante minha longa jornada. Porém dessa vez essas pessoas que tive a honra de dividir meus medos, dúvidas e aflições retribuíram por inteiro o que era merecido e isso não tem como esquecer. Mesmo com todas as "zoações", brincadeiras e ataques de infantilidade nos tornamos pessoas inseparáveis ao ponto de saber em muito pouco tempo o que cada um precisa. 
Cada vez mais, eu penso que escolhi as pessoas certas para serem chamadas de amigos neste ano que vem a ser um dos mais importantes. Escrevendo essas palavras ao som de um bom rock que não sei se amanhã ou depois ainda escutarei desejo que cada um desses amigos maravilhosos alcancem seus objetivos de vida e consiga realizar tudo o que planejam é o mínimo que eu posso desejar. 
Quando se passa por um momento obscuro sempre se pensa que as coisas não ficaram melhores, quando se é traído por amigos se pensa que nunca apareceram pessoas que sejam dignas de ocupar esse lugar. Eu encontrei nesse ano pessoas dignas. Ofereço esse post ao meu "cilculo" (porque a nossa amizade não tem fim) Samuel, Otavio, Pedro, Geovanni e Lorena.  
           

domingo, 19 de agosto de 2012

Nunca, nunca deixe o que quer pra depois...

 Eu poderia descrever todos os momentos em que sorri tendo a queles pensamentos que tomavam conta de mim facilmente antes do sono chegar. Poderia dizer o que passa na minha cabeça quando meu coração bate de maneira rápida e depois lenta. Gostaria de entender o porque o amor tem que ser tão difícil e doloroso e temos que passar por situações que nos fazem nem querer levantar de manhã.
 Levantar de manhã é uma vitória. Significa que vencemos o dia anterior mesmo com todas as dúvidas e até mesmo desesperos que nos afligem. Não levantar seria um ultraje com nossa honra, nunca saberíamos se o novo dia seria melhor que o dia anterior e se poderíamos fazer tudo valer a pena.
Cada dia que passa as coisas se complicam, as dúvidas cercam, o medo chega, a saudade aperta, as lágrimas caem, o tempo passa. Desistir por conta disso é covardia, não tentar é inaceitável, sofrer é necessário, pois senão no fim das contas nada valeria a pena.
Mesmo durante as tempestades, se dirija a quele lugar que te da confiança abrace quem se importa, se não puder, se agarre as lembranças que fizeram tudo valer a pena e faça um favor a si, nunca desista da quilo que te faz bem.
    

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Vício Maldito...


Certo dia Carolina percebeu que tinha um vício, não era só um vício era quase uma patologia insana, ela sem saber o que fazer passou a ocultar o seu vício, já que era estranho para quase todos que viviam ao seu redor.
O Vício de Carolina era pela leitura, ela devorava livros em segundos, de todos os tipos e autores. Versos, prosas, crônicas. Ainda não havia se quer um livro que tivesse lido e não gostado. Era doentio, lia e queria ler mais, folhava-os e não conseguia parar, cada vez queria outros.
Seus amigos já tinham parado de tentar tira-la daquele “coma, porém não tiveram nenhum sucesso. Carolina vivia em um mundo inteiramente seu não gostava de sair e nem gostava de ter visitas. Quando se sentia solitária, procurava um personagem tão solitário quanto ela, quando se sentia triste terminava um livro e começava outro com o mesmo prazer.
O único medo de Carolina era ler todos os livros do mundo e não ter mais o que ler, porém do nada batia uma sensação reconfortante de que todos os livros do mundo são muita coisa pra se ler em uma vida. E isso a deixava feliz enquanto voltava a folhar. 
        

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Tende Entender...

 Que em nossas vidas temos erros e acertos, que existem pessoas que nos tratam como uma mera opção, só nos considerando nas horas de necessidade. Que quanto mais procuramos sentido para tudo, não o encontramos em nada, que quanto piores nos formos para os outros, piores eles serão para nós. 
Tente entender que a cada 10 amigos que fazemos, 1 ficará conosco sempre e os outros nove fracassaram na tarefa de nos agradar, assim como nós podemos ter falhado também. Devemos perdoar quem falha, senão nada teria sentido, já parou para contar, desde quando acorda até a hora que vai dormir, quantas vezes falha?  Tende entender que quanto mais quer fugir do choro, mais lágrimas vão aparecer, que nem todas as pessoas que perdemos merecem nossas lágrimas, mas existem a quelas que faltaram lágrimas para podermos chorar por elas.
 Cada vez que entendemos uma coisa, tudo se torna mais fácil, podemos seguir em frente procurando outras coisas para entender. Por mais que algumas coisas pareçam inatendíveis, elas não são, só estão lá nos esperando tirar a quele pingo de maturidade que nos falta para entende-las.  
      

sábado, 4 de agosto de 2012

Um dia Qualquer...

Em um dia qualquer, podemos fazer muitas coisas. Coisas como sair e fazer coisas produtivas ou não fazer nada mesmo. O problema de um dia qualquer é que ele pode nos mostrar várias coisas, coisas que algumas vezes nem gostaríamos de ver, coisas que podem nos machucar de verdade.
A cada dia que passa percebemos mais coisas, pessoas, situações, vidas, momentos. Coisas que preferiríamos esquecer, pessoas que amamos irem embora sem deixar sinal de volta, vidas que se perdem em meio a confusão de sentimentos, momentos que olhamos sem prestar a devida atenção. É triste, porém faz sentido, em um dia qualquer muitas coisas mudam. 
Seria tão mais fácil sermos meros observadores, em nossas janelas fechadas do dia- a- dia do que sentir, sentir qualquer coisas que fosse. Dor, amor, revolta. Cada vez que abrimos nossa janela do dia-a- dia para ver qualquer coisa que seja em um dia qualquer saiba, o que verá não é o que quer ver.
O que verá, nem sempre vai ser feliz, nem sempre vai ser limpo, nem sempre você ficará feliz em ver o que viu. Mas crie esperança, não feche a sua janela, pois ainda há esperança que em um dia qualquer poderemos abir a nossa janela e deixar a brisa entrar sem culpa, pois não haverá mais nada com o que se preocupar e os nossos sentimentos serão finalmente entendidos. 
       

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Quero de volta...

Quero de volta o seu sorriso, as horas de discussões desnecessárias, sua amizade nas horas difíceis, nas horas fáceis, em todos os momentos. 
Quero de volta as suas provocações muitas vezes infantis e sem nenhum sentido. Quero saber o que se passa no seu mundo que é tão diferente do meu. Quero estar na sua vida, mesmo que só como uma narradora que observa os fatos. 
Quero saber quantas vezes amou de verdade, quantas vezes sofreu, quantas vezes chorou. Quero ter você na minha vida, dizer o que não disse, mesmo que não entenda. 
O tempo de antes nunca vai voltar, cada vez mais ele fica pra traz e as nossas vidas mudam. Nunca vamos saber se o que era pra ser foi, ou se não foi! Nunca vamos saber, mas de uma coisa eu sei, quero de volta... Mesmo que não tenha sido e mesmo que não seja!
  

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Seus Olhos...

Dizem que a gente só passa a perceber mais perfeitamente as coisas, ou dar valor a elas depois que as perdemos e ficamos um longo tempo sem elas. Deve ser mesmo verdade, pois não imaginava que ficaria tanto tempo sem olhar tão fundo dentro da queles olhos.
Olhos que refletiam a luz do sol enquanto ele brilhava nas tardes quentes ou frias. Olhos que se enchiam de sentimentos com a minha presença, que refletiam tudo o que nos fazia feliz. Uma das minhas maiores felicidades era olhar dentro deles no silêncio, perceber quando piscavam.
Certa vez não consegui olhar dentro deles, não podia encarar a queles olhos que refletiam a luz do sol, refletirem nenhuma tristeza se quer. Quando eu fecho os meus olhos e me concentro um pouco, ainda posso vê-los lá, intensos me dizendo alguma coisa que tento esquecer e não posso, pois já é parte de mim.
Nunca mais os vi, mas espero poder os ver de novo um dia. Sinto falta de como era e tenho muito medo de esquece-los aos poucos... 
         
   

segunda-feira, 23 de julho de 2012

A varanda precisa...


Ao contrário do meu filme preferido, onde havia uma sala precisa, no meu pequeno e desnecessário mundo há uma varanda precisa.
Lá naquele pequeno espaço, é como se uma vida já tivesse passado, porém, só foram alguns momentos, os mais felizes e os mais tristes também.
Horas olhando para fora nas noites e dias quentes e frios, momentos que são gravados na memória.  
Livros que foram devorados em instantes, melhor forma de passar o tempo na varanda, do meu ponto de vista.
Lá é como se páginas de livros fossem folhadas sozinhas, músicas dos Beatles ecoam e fico pensando nas risadas e lagrimas que eu deixei no lugar, sem contar os pensamentos... A, os pensamentos, alguns deles jamais vão voltar. Tento sem sucesso os trazer de volta, mas eles estão perdidos, viajando em um lugar que eu desconheço.
Talvez, apenas tenham saído pela janela em uma tarde vazia que me fez valer o dia, e talvez eles voltem pra mim. Ou não...
      

domingo, 22 de julho de 2012

Quero você


Quero ser. Quero sentir-te. Quero notar a cor do teu cabelo contra a luz do sol. Quero tirar pedaços de grama das tuas costas. Quero notar os músculos do teu rosto ao sorrir. Quero sentir tua cabeça no meu ombro. Quero pensar em ti o tempo todo. Quero notar a cor dos teus lábios. Quero tirar-te uma risada. Mais uma. Mas não por graça, por coração. Quero sentir o brilho dos teus olhos. Quero notar tuas bochechas. Quero sentir teus lábios aos meus. Quero teu senso de humor. Tua inteligência. Quero tua personalidade. Quero teu espírito insatisfeito com meias respostas. Quero tua sede de saber. Quero teus braços juntos aos meus. Quero medir a palma da tua mão. Quero arquear meus dedos aos teus. Quero dormir pensando em ti. Quero escrever pensando em ti. Quero te sentir. Quero notar tua respiração. Ouvir os batimentos do teu coração. Quero a saudade de não te ter por perto. O alívio de te ver de novo. E a dor no peito de te ver partir. Quero o frio na barriga. Quero saber o que quer. Satisfazer teus desejos. Quero passar um dia sem fazer nada ao teu lado. Quero conhecê-la.
 Quero ser você.
 Mais acima de tudo, pra parar de querer, pra que te esqueça, ou pra fazer que o querer aconteça, preciso saber:
 Quer ser eu?

Victor Alfons... 

PS: Então, eu não faço muito isso, mas é um dos meus textos preferidos de um amigo meu. Se gostou vou deixar os links dele, se não gostou que pena!!! 


segunda-feira, 9 de julho de 2012

E eu falei, e até prometi, que esse não seria pra você e não é!!!

Um dia me disseram que as nuvens não eram de algodão, um dia me disseram que os ventos erram a direção em que sopram. Um dia me disseram que o pra sempre, sempre acaba. 
Um dia me disseram que as coisas são passageiras, que amores nunca são iguais, que sorrisos podem ser falsos e situações forçadas. 
Ouvi dizer que tudo muda em cinco minutos que o coração não escolhe quem amar, que uma música pode nos fazer lembrar de um momento pra sempre, que a dor nem sempre dói do jeito que pensamos que ela vai doer. 
Descobri que existe a amizade verdadeira, porém existe a queles que jamais poderíamos chamar de amigos. Descobri que um sentimento pode ser completamente decepcionante, descobri que um eu te amo pode não dizer nada. 
Ouvi dizer, descobri, amei, esqueci, chorei, esperneei, gritei, me decepcionei, errei, me recuperei, me enganei, e farei tudo de novo! Várias e várias vezes, porque a vida é a sim cheia de descobertas, umas boas e outras más, cheia de erros e acertos...  
    

terça-feira, 3 de julho de 2012

Ela e Ele...

Nem todas as histórias devem ter fins fofinhos, algumas acabam ao vento e outras acabam com um simples "E se...". Se não gosta dessa terminação nem continue lendo, porque pode ser decepcionante. 
Ela era uma menina dessas bem diferente das outras, não ligava para sapatos, esmaltes, maquiagens ou saltos altos, ligava para o seu all star desbotado e para sua forma de ver o mundo, que era uma forma totalmente exclusiva.
Ele, só há uma palavra para descreve-lo DESPREZÍVEL, sim não ligava para qualquer coisa que fosse e nem para ninguém, com um pensamento completamente egocêntrico, só existia uma coisa que ele amasse mais do que a sua jaqueta preta horrorosa: ele mesmo.
Nada neles era comum entre os dois, quase nada, mas não dizem que para que as coisas deem certo independente do pra que, as pessoas as vezes precisam ser um pouco diferentes? Fizeram amizade como tinha de ser, e se encontravam todo dia, porém ela quebrou todas as regras e parou de enxergar um carinha desprezível, se apaixonou por quem tinha se transformado em seu melhor amigo. 
Ele... Mistério total, anos se passaram e ela nunca soube a verdade. Nunca soube o que ele sentia ou se já sentiu algo por ela durante a existência da amizade. 
Até que em uma noite... Em uma conversa distraída, dessas que a gente tem na internet quando bate o tédio, um dialogo fez toda a diferença:
 ele: - Vai assume que você já gostou de mim.
 ela: - Que diferença isso faz?
 ele: - ^^ 
 ela: - Olha...
 ele: - Mas vamos fazer o seguinte...
   Nunca, nunca mais vamos falar sobre isso de novo. 
Promete? 
Pode cortar o seu dedo ai, promete e pronto. 
ela: - Ok prometo.
Ela nunca contou pra ele, e depois da promessa provavelmente nunca vai contar, ela viu ele se transformar em um cara legal, viu ele parando de ser desprezível e nunca contou pra ele e a unica coisa que permanece depois desses anos todos são duas palavras: E SE? 
        
   

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Crescendo...

Crescer é uma coisa bem engraçada, pois um dia você acha que cresceu e do nada descobre que não, e quando menos espera é como se tivesse crescido do nada. Isso é fácil de se ver, é só observar as suas próprias atitudes e até mesmo as atitudes de pessoas que te cercam.
Esses dias eu li uma frase que dizia: " Percebemos que a gente cresceu quando o que nos fazia chorar, agora nos faz rir." Eu penso que é bem assim mesmo, quantas vezes a gente já chorou por coisas que não valiam a pena, se desesperou por uma coisa nada a ver e depois de um certo tempo, rimos mesmo da burrada toda. Apesar que se pararmos para olhar, nem foi tão burrada assim, porque aquilo que nos fez chorar e agora nos faz rir, entrou em um longo processo de amadurecimento pelo qual a nossa vida passou e ainda vai passar. 
 É legal perceber que crescemos, mas não podemos esquecer que ainda vamos continuar crescendo, por isso nunca se culpe de uma atitude imatura... Porque essa atitude vai te fazer crescer depois.